top of page

Trólebus Brasileiro

> Os Sistemas Brasileiros

> Araraquara (SP)

> Frota de Trólebus

> Especificações Trólebus 41

PLATAFORMA: fabricada pela Cobrasma, equipada com suspensão do tipo combinada (molas + câmaras de ar).

 

1 – Estrutura: em alumínio. 

 

2 – Cargas admissíveis por eixo (kg):

- eixo dianteiro: 6.000

- eixo traseiro: 12.000

- total: 18.000

CARROCERIA: fabricada pela Cobrasma, formando com a plataforma uma estrutura monobloco.

52.jpg

(Fonte:  folheto  “Cobrasma S/A  –  Divisão  de  Equipamentos  de  Transporte”,  publicado  pela Cobrasma S/A).

1 – Estrutura: em aço inoxidável austenítico (AISI-301).

 

2 - Dimensões básicas (mm):

53.jpg

(Fonte: “Manual de Operação – Araraquara: Trólebus Simples” – emissão = 30/07/86, publicado pela Cobrasma S/A).

- comprimento total: 12.000

- largura total: 2.600

- altura (sem incluir o coletor de corrente): 3.388

- distância entre-eixos: 6.000

- balanço dianteiro: 2.665

- balanço traseiro: 3.355

- altura do primeiro degrau: 370

- altura entre degraus: 240

- profundidade dos degraus: 300

- altura máxima do piso em toda a sua extensão: 850

- altura interna mínima em áreas de circulação: 2.000

- vão livre das portas: 1.100

- raio de giro externo máximo: 12.800

- raio de giro interno mínimo: 6.760

3 - Compartimento de passageiros:

- capacidade de transporte

    - sentados: 35 passageiros

    - em pé (7 pass/m2): 70 passageiros

    - total: 105 passageiros

ELETROCONTROLES: fabricado pela Brown Boveri (BBC), incluindo sistema de controle de tração, resistores de frenagem, motor de tração, sistemas auxiliares e demais componentes elétricos-eletrônicos.

 

1 - Desempenho:

- Em tração:

    - velocidades mínimas atingíveis partindo do repouso (via em nível e retilínea):

46.jpg

    - aceleração máxima a partir do repouso e nas retomadas de velocidade em nível: 1,3 m/s2

    - aceleração mínima em rampas de até 15 %: 0,2 m/s2

- Em frenagem (em via nivelada e retilínea com pista seca):

    - desaceleração média mínima de 60 km/h ao repouso, com utilização dos freios de serviço e auxiliares: de 5,0 a 5,5 m/s2

    - contribuição do freio elétrico nas condições de desaceleração média: de 1,0 a 1,3 m/s2

    - valor mínimo da desaceleração média utilizando unicamente o freio de estacionamento, entre 50 km/h e 0 km/h: 2,2 m/s2

    - máxima perda de eficiência devido a aquecimento após 10 ciclos de 1 minuto com frenagens e acelerações máximas sucessivas entre 50 km/h e 25 km/h: 20 %

2 - Alimentação elétrica:

- tensão da rede aérea:

    - nominal: 600 Vcc

    - mínima: 400 Vcc

    - máxima: 720 Vcc

- circuito de corrente contínua (bateria):

    - nominal: 24 Vcc

    - mínima: 20 Vcc

    - máxima: 32 Vcc

3 - Sistema de controle de tração:

- tipo: chopper

4 - Sistemas auxiliares: motores auxiliares (alimentação pela tensão de rede) acionam a bomba da direção hidráulica, alternador e compressor de ar.

Fonte de Pesquisa:

 

- “Manual de Operação – Araraquara: Trólebus Simples” – emissão = 30/07/86, publicado pela Cobrasma S/A.

bottom of page