top of page

Trólebus Brasileiro

> A História do Sistema Trólebus no Brasil

5 - Histórico e Características dos Trólebus de Quinta Geração:

Nesta fase as indústrias automotivas tradicionais continuam participando da produção dos veículos, do tipo monobloco ou encarroçados. Novas indústrias começam também a atuar no setor. Sendo assim, em 2.003 o consórcio Metra, de São Paulo (corredor ABD) montou vinte e um trólebus, do tipo monobloco, fabricado pela Busscar, com eixos húngaros. Nestes veículos foram reaproveitados alguns componentes, incluindo os motores de tração "Engesa", retirados dos antigos trólebus Cobrasma, os quais foram sendo desativados gradativamente. O sistema de tração, do tipo IGBT, foi fornecido pela Eletra. Um outro veículo com a mesma carroceria, porém com chassi Mercedes-Benz também foi montado neste mesmo ano, para o mesmo consórcio, tendo posteriormente substituída toda a sua parte de tração, por um sistema de corrente alternada (inversor Eletra).

675.jpg

Trólebus de piso baixo Busscar / Eletra - Metra.

(Fonte: http://spbusmetropolitano.blogspot.com/2008/08/trlebus-articulado-marcopolo.html).

677.jpg

Trólebus de piso baixo Mercedes-Benz / Busscar / Eletra - Metra.

(Fonte: http://www.railbuss.com.br/onibus/galeria/displayimage.php?pos=-13335).

Entre 2.007 e 2.009, a Himalaia Transportes, de São Paulo, iniciou a compra de novos trólebus com piso baixo, equipados com estrutura monobloco Busscar, e sistema de tração Weg, de corrente alternada. São fornecidas 11 unidades.

682.jpg

Trólebus Busscar/Weg - Himalaia Transportes.

(Fonte: http://fotolog.terra.com.br/busologossa).

Em 2.008, dois trólebus de piso baixo foram encomendados pelo consórcio Metra, com chassi Mercedes-Benz, Carroceria Caio Millenium e sistema de tração Eletra, de corrente alternada. Um deles foi cedido à Himalaia Transportes, de São Paulo, sendo posteriormente devolvido, não sendo aprovado pela SP Trans.

676.jpg

Trólebus Mercedes-Benz/Caio/Eletra prefixo 7400 - Metra.

(Fonte: http://onibusbrasil.com/adamobazani/12060/).

876.jpg

Trólebus Mercedes-Benz/Caio/Eletra prefixo 7401 - Metra.

(Fonte: https://onibusbrasil.com/dalmopereiracosta/809290).

Em 2.009 foi entregue à Himalaia Transportes um veículo com chassi Tuttotransporti, carroceria Ibrava, motor de tração/inversor Weg de corrente alternada e sistema auxiliar fabricado pela Iluminatti, com diversas inovações, como por exemplo os sistemas de monitoramento da carroceria e de interface homem-máquina. Após testes, o veículo foi incorporado à frota da empresa. Este veículo também possui piso baixo.

Ainda em 2.009 foi entregue à Metra o terceiro trólebus de piso baixo com chassi Mercedes-Benz, Carroceria Caio Millenium e sistema de tração Eletra, de corrente alternada.

683.jpg

Trólebus Tuttotransporti/Ibrava/Weg/Iluminatti - Himalaia Transportes.

(Fonte: http://2.bp.blogspot.com/_5uo63jc96U0/TIv8gzJVn_I/AAAAAAA

ARj0/3Xnyj68NAec/s1600/Ibrava_urb_trolebus_himalaia_01.jpg).

775.jpg

Trólebus Mercedes-Benz/Caio/Eletra - Metra.

(Fonte: http://www.revistaportaldoonibus.com.br/bancodeimagem/displayima

ge.php?album=340&pid=12762.

Em 2.011 o consórcio Metra, de São Bernardo do Campo (SP) repete a proeza da CMTC, que em 1.971 converteu um ônibus diesel Margirius-Deutz com carroceria Striulli para trólebus. Sendo assim, dois ônibus articulados com chassi Volvo B10M EDC e carroceria Busscar Urbanuss Pluss foram convertidos para trólebus, com equipamentos eletrônicos Weg/Eletra, em corrente alternada. Estes receberam os prefixos 8150 e 8151.

 

Neste mesmo ano foram montados dois trólebus equipados com chassi Scania de 15 metros, piso baixo e terceiro eixo direcional. Foram encarroçados pela Caio, com sistema de propulsão Eletra. É importante ressaltar o retorno das duas montadoras - Scania e Caio - na produção de trólebus, após 26 anos ausentes no setor. Uma unidade foi para a Himalaia e a outra para o consórcio Metra (este último equipado com um sistema autônomo de baterias).

 

Por fim foram fornecidos ainda novos trólebus à Ambiental Trans (ex-Himalaia Transportes), de São Paulo, a fim de renovar a frota circulante na capital do estado. Estes possuem chassi Mercedes-Benz (O 500 U), carroceria Caio e eletrônica Eletra, corrente alternada. Foram produzidas 79 unidades, sendo o protótipo com carroceria Caio Millennium II e os demais com a carroceria Caio Millennium III.

773.jpg

Trólebus Volvo/Busscar/Eletra, prefixo 8150.

(Fonte:   http://www.revistaportaldoonibus.com.br/ban

codeimagem/displayimage.php?album=searchcat=0&

pid=8939#top_display_media).

774.jpg

Trólebus Volvo/Busscar/Eletra, prefixo 8151.

(Fonte: http://fotolog.terra.com.br/brunobus).  

878.jpg

Trólebus Scania/Caio/Eletra, pertencente à frota da Ambiental Trans, de São Paulo. Este veículo é equipado com piso baixo e chassi de 15 metros, com terceiro eixo direcional (Scania K270UB).

(Fonte:  https://onibusbrasil.com/marcelosant

os1/3150663).

879.jpg

Trólebus Scania/Caio/Eletra, pertencentes à frota do consórcio Metra, de São Paulo. Este veículo é equipado com piso baixo e chassi de 15 metros, com terceiro eixo direcional (Scania K270UB).

(Fonte: https://onibusbrasil.com/brollobus/2700741).

753.jpg

Trólebus Mercedes-Benz/Caio/Eletra, entregue à Ambiental Trans, de São Paulo - SP (protótipo).

(Fonte: https://onibusbrasil.com/dalmopereiracosta/2153340).

Em 2.012 novamente o consórcio Metra, de São Bernardo do Campo (SP) converte mais quatro ônibus articulados com chassi Volvo B10M EDC e carroceria Busscar Urbanuss Pluss em trólebus, com equipamentos eletrônicos Weg/Eletra, em corrente alternada. Estes recebem prefixos de 8152 a 8155.

 

Ainda neste ano o consórcio recebe um novo trólebus articulado, com chassi Mercedes-Benz O500UA, carroceria Caio Millennium III e eletrônica Weg/Eletra, em  corrente alternada.

 

Por fim a Ambiental Trans de São Paulo recebe o primeiro trólebus "BRT " (Bus Rapid Transit) construído no Brasil, com chassi Scania K 270 UB,  equipado com três eixos (sendo o primeiro e o terceiro direcionais), carroceria Caio Millenium 3 "BRT " e sistema de tração Eletra, possuindo ainda piso baixo. São produzidas 99 unidades.

776.jpg

Trólebus Volvo/Busscar/Eletra, prefixo 8152.

(Fonte: http://onibusbrasil.com/foto/1226113/empr

esa).

752.jpg

Trólebus Volvo/Busscar/Eletra, prefixo 8155.

(Fonte:  https://onibusbrasil.com/juliometra/18712

15),

680.jpg

Trólebus Volvo/Busscar/Eletra, prefixo 8153.

(Fonte:   https://onibusbrasil.com/adamobazani/14

29060).

777.jpg

Trólebus Mercedes-Benz/Caio/Eletra, prefixo 8160.

(Fonte:  https://onibusbrasil.com/dalmopereiracost

a/2100464).

 

751.jpg

Trólebus Volvo/Busscar/Eletra, prefixo 8154.

(Fonte: https://onibusbrasil.com/leandrocarneiro/1

751128).

811.jpg

Trólebus Scania/Caio/Eletra - BRT.

(Fonte: https://onibusbrasil.com/eduardosambaiba/2033560).

Em 2.013 surge um fabricante inédito de chassis para trólebus: o grupo MAN-Volkswagen fornece dez chassis, equipados com carroceria Caio Millennium BRT, motor Weg e sistema de tração Eletra para o sistema de São Paulo-SP.

Entre 2.013 e 2.016 o consórcio Metra recebe mais trinta unidades de trólebus articulados, com chassi Mercedes-Benz O500UA, carroceria Caio Millennium BRT e eletrônica Weg/Eletra, em  corrente alternada.

806.jpg

Trólebus MAN-Volkswagen com carroceria Caio Millennium BRT, motor Weg e sistema de tração Eletra - São Paulo-SP.

(Fonte: https://www.caminhoes-e-carretas.com/2014/02/trolebus-volksbus-comecam-operar-em-sao.html).

812.jpg

Trólebus articulado com chassi Mercedes-Benz O500UA, carroceria Caio Millennium BRT e eletrônica Weg/Eletra - consórcio Metra-SP.

(Fonte: https://onibusbrasil.com/guilhermeestevan/5374974).

Os trólebus de quinta geração começaram a ser produzidos a partir de 2.003. São do tipo monobloco, ou apresentam chassis com suspensão a ar, de dois ou três eixos (este último com terceiro eixo direcional). A carroceria apresenta circuladores de ar ou ar-condicionado, porém de maior comprimento, não seguindo mais as dimensões do Padron II. O piso do veículo é mais baixo que o convencional, facilitando o embarque dos passageiros. Como novidade nesta geração temos também a presença do sistema "BRT" empregado nos trólebus brasileiros.

 

O sistema de controle de tração é do tipo “chopper a IGBT” (corrente contínua) ou "inversor IGBT" (corrente alternada). A utilização do motor elétrico de tração de corrente alternada traz diversas vantagens ao veículo, como por exemplo a facilidade em se encontrar peças de reposição, já que é um tipo de motor fabricado em série – diferentemente do motor a corrente contínua, que é produzido de forma quase que artesanal, manualmente. Uma outra característica deste sistema permite que a  eletricidade que não é usada para a tração ou gerenciamento retorne para a rede aérea, situação que não ocorre nos veículos com motores de corrente contínua.

Para alimentar e controlar um motor de corrente alternada é utilizado um inversor, dispositivo que converte a tensão contínua em alternada. O equipamento gera uma tensão alternada controlando a amplitude (tensão) e a freqüência. Na partida do motor, a tensão é mínima assim como a freqüência e, a medida que o inversor vai aumentando a tensão/freqüência no motor, este começa a ganhar velocidade.

685.jpg

Chopper Eletra corrente contínua.

(Fonte: https://slideplayer.com.br/slide/1241869/).

684.jpg

Inversor Eletra corrente alternada e motor de tração Weg corrente alternada.

(Fonte: https://slideplayer.com.br/slide/1241869/).

Fonte de Pesquisa:

 

- “Eletra entrega 27 trólebus para a prefeitura de São Paulo, Hoje” (http://www.inteligemcia.com.br/59296/2012/01/23/eletra-entrega-27-trolebus-para-a-prefeitura-de-sao-paulo-hoje/).

- https://pt.wikipedia.org/wiki/Metra (maio/2.018).

- https://pt.wikipedia.org/wiki/Tr%C3%B3lebus_de_S%C3%A3o_Paulo (maio/2.018).

- “Revista AutoBus" - http://www.revistaautobus.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=60:corredor-metropolitano-adota-tecnologia-diferen

cial-em-trolebus&catid=38:novidades&Itemid=56.

01  -  02  -  03  -  04  -  05

bottom of page